Sexta-feira, 11 de Junho de 2021

O amanhecer não tem hora marcada

 

As sirenes em correria das ambulâncias e carros de policia ecoavam no horizonte próximo, em avanços, recuos e mudanças de direção bruscas, serpenteando entre as ruas, buzinadelas de "chega para lá", roteiros percetíveis pelas variações do eco do seu grito de alerta, e João, filho da Dona Fátima, estava no quarto deitado, longe desse bulício, ainda afogado no absurdo do absinto, adormecido mas sem conseguir dormir, numa manhã que acordava sem raios de sol, porque o céu nasceu nublado, com um leve filtro de cinzento claro a cobrir toda a paisagem, sem vento, nem frio.

 

Maria João, separada do mundo por tijolos cimento e azulejos, perdia mais do que os seus habituais 15 minutos - os mínimos olímpicos - a aplicar uma maquilhagem convincente, e com isso, atropelava-se numa correria contra o relógio, entre o quarto e a casa de banho, para num último instante, em 2 atos, enfiar-se dentro de um vestido, e como por magia, ficar pronta, com apenas míseros 7 minutos de atraso (com sorte não apanharia trânsito naquele maldito semáforo),

 

O Sr. António já passeava na rua e passava os rotineiros olhares românticos e orgulhosos sobre o seu carro semi-novo, foram décadas a levantar-se às 6h30, não seria a reforma a mudar os velhos hábitos, fazia desde cedo a ronda diária à rua, depois de ter ido comprar o pão fresco, o jornal e o maço de tabaco deixou de comprar na papelaria faz perto de 5 anos, substituiu o vicio por raspadinhas, o médico diz que foi o melhor que ele fez, a mulher e os seus cortinados da sala corroboram (as noticias passou a ver no telemóvel e no tablet). O Sr. António sabia qual funcionamento diário de todos os vizinhos do prédio, as movimentações do "quem e a que horas", sabia também a trajetória exata do Sol durante todos os meses e estações do ano, e quais os melhores lugares de estacionamento da rua para proteger a pintura do carro dos maliciosos raios UV.

 

Um miúdo fazia birra em plena calçada, e demonstrava a plenos pulmões que não queria ir para a escola, "que isso não podia ser todos os dias", e o pai respirava fundo e tentava explicar-lhe, mais uma vez, que os meninos vão para a escola e ele tinha de ir trabalhar, que não havia alternativa, que era assim, e depois suspirava, do fundo da alma, com o peso dos problemas dos adultos em cima dos ombros, e por não querer, igualmente, ir trabalhar.

 

A meio da manhã, o Sol fintou as previsões meteorológicas e já beijava a face de todos, por entre janelas e vidraças, incluindo o carro do Sr. António.

 

(João dormia profundamente)

 


Mr Anger às 12:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 7 de Maio de 2021

Transformers

 

Entre a espada e a parede do sonho de mais um beijo, inequívoco, profundo de amor, e o despertar para o abandono da cama quente em direção a um café da manhã apressado, de chinelos nos pés, a arrastarem-se para a sala, onde começa o dia, onde começa a jornada, em scrolls de ecrã táctil numa dança já bem ensaiada, quotidiana e onde o pijama se transforma em farda e onde não existem barreiras físicas ao que somos e onde estamos. Um jogo, só mais um nível de um jogo, um teatro de cenário único onde tudo começa e finda em nós, onde imaginamos e fazemos acontecer, onde descobrimos o valor insignificante das rotinas do passado, ultrapassadas, mas também a precariedade desumanizada da presente, talvez futura, onde tentamos meter na balança o nosso real valor, e peso, para ou bem e para o mal, onde tentamos ver e descobrir a verdadeira importância das coisas, e onde acabamos por nos afundar, ainda mais fundo, no sofá, atónitos, fetais.

 

Tudo um caos, tudo adaptação e sobrevivência, tudo organização desorganizada, no fio da navalha, explosões de felicidade extrema e de desalento, desamparo, e depois a bonança, ou o Bonanza, o que seja, qualquer um deles, o que vier com melhor índole, o que estiver a dar na TV, dentro e fora do horário de almoço, entre aspiradores e estendais, relatórios e falhas de sistema, prazos apertados, internos e externos, louça na máquina a lavar, processos por fechar, tudo misturado, puro desatino.

 

Bem-vindos à Twilight Zone.

 


Mr Anger às 10:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 29 de Abril de 2021

A menina dança?

 

Do Verão esperámos sempre o sol, e o calor, do amor a paixão, da vida a felicidade.

 

Em dúvidas fora-de-horas, o quotidiano lança a semente, a dúvida, a pulga atrás da orelha que nos impele a mexer-nos, a levantar os braços aterrados sobre a mesa, o emergir da cabeça por entre os ombros, o olhar no horizonte, o restart cerebral na forma de bifurcações mentais, pensamentos a percorrer o desconhecido, encruzilhadas, e a eterna pergunta: "será possível?"

 

A vida é pródiga em exemplos de sucesso e insucesso, de boas e más decisões e da causa-efeito desses atos, onde o arriscar é nublado e incerto: "podes perder tudo", mas onde o deixa-andar amordaçado acaba sempre num suspiro: "isto não é vida".

 

Arranjamos sempre desculpas para o nosso insucesso, e normalmente culpamos a conjuntura ou terceiros, arranjamos sempre factores externos ao esforço para explicar o sucesso dos outros, e olhamos para o nosso próprio sucesso, numa dicotomia bipolar entre o desacreditado "nem acredito na sorte que tive" ao egocêntrico "o azeite vem sempre ao de cima".

 

Vivemos assim, não num Submarino amarelo, mas dentro de uma enorme máquina de lavar roupa, num eterno programa da lavagem, onde num rodopio se misturam a incerteza e a tacanhez. A incerteza, do medo de perder tudo, de falhar, perante nós e perante os outros e a tacanhez do conforto de não sair do mesmo sitio, de não arriscarmos, de não saltarmos do balcão do bar - onde nos afundamos e refugiámos em copos meio-cheios - para a pista de dança, para mostrar e arriscar aquilo que somos e almejamos atingir, incluindo, se assim tiver de ser, de cair e de falhar.

 


Mr Anger às 10:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 22 de Abril de 2021

Paisagens itinerantes (do amor)

 

felicidade. verdade. amor. paixão. vodka. tequila silver. tequila gold. shots de absinto. praia. campo. lua. sol. guitarras. canções. sofás. colchões. chuveiros. suspiros. gargalhadas. sorrisos.

 

E auto-estradas sem fim, estradas nacionais secundárias de alcatrão derretido, percorridas de janela aberta, com o vento quente do Verão a soprar nos nossos pescoços, a fazer esvoaçar roupas e cabelos selvagens, de pele bronzeada de outros dias, intensos, óculos de sol a camuflar o brilho do sol, o brilho dos olhos, a minha mão a passar pela tua perna ao meter mais uma mudança, o motor a embalar esta nossa dança serpenteante por entre montanhas e vales, ou em rectas infinitas de planície, paisagens itinerantes pintadas de cinzento e verde, pintadas de cor de deserto, caqui, de horizontes azuis ou vermelhecidos, de restaurantes e cafés, de quartos de hotel, pousadas e albergues, onde chegamos cedo, onde chegamos tarde, de onde apressadamente fugimos para mergulhos em piscinas a aproveitar os últimos raios de sol do dia, desse dia, beijos ao pôr-do-sol, a repetir no próximo - na inevitabilidade do irrepetível - vivendo e aproveitando o presente, num acumular de sapatos e mochilas empoeirados de tanto andar, de roupa de praia ensopada de água do mar, bolsos cheios de areia da praia, de vestígios do crime de ser feliz, perante uma plateia de espectadores desconhecidos.

 

Tudo o que ficam são flashes, impulsos eléctricos que com o tempo vão deixando cair o sabor, e se transformam apenas numa imagem desfocada, onde nós estamos ao centro, e a que chamamos memórias, a que chamamos, saudade.

 


Mr Anger às 11:20
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 21 de Março de 2021

São Domingos

Pior que mal-fodido é mal-amado

 


Mr Anger às 18:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos (1)
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2021

A Dimensão Humana

 

É preciso ter calma, muita calma e começarmos por aceitar a nossa verdadeira dimensão, o facto de que não passamos de um simples grão de areia encavalitado noutro grão de areia, perdidos algures pelo Universo. Completamente insignificantes, estatisticamente irrelevantes.

 

Só a partir daí, desse ponto, podemos ambicionar evoluir para qualquer coisa perto do verosímil.

 


Mr Anger às 15:05
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 13 de Abril de 2020

Dia-a-dia da formiga

As pessoas não mudam, adaptam-se.

 

Tanta coisa por dizer, gritar, mas totalmente absorto no que estou a sentir, se por um lado quero a mudança, e quero-a já, por outro  sinto-me falso, como se vivesse em negação ou estivesse a mentir. O horizonte é agora só uma fachada, não há planos, os objectivos não existem, são só esboços, pensamentos, papelada avulsa empurrada para dentro de uma gaveta.

 

Gostava de te ter aqui, hoje, receber-te de braços abertos, ouvir de ti as novidades, mesmo que o resultado final fosse voltar ao abismo.

tags:

Mr Anger às 10:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 5 de Maio de 2018

Regras base - Sobre(a)vivência #3

 

A taxa de sobrevivência na selva é directamente proporcional à tua capacidade de adaptação

 


Mr Anger às 00:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 4 de Julho de 2017

O amor (é) de alguém


A verdade matemática não explicava nada, os anos das datas de nascimento impressos nos cartões de ambos não coincidiam, embora os meses estivessem caprichosamente perto e a década fosse a mesma. Não existem subterfúgios, a vida e os seus indecifráveis planos e circunstâncias, juntou-os, separou-os e inesperadamente juntou-os de novo, neste caso para unir, num acaso de pormenores e coincidências, pequenos jackpots do jogo da vida. A verdade é que alguém tinha medo de se dar, apenas porque já se tinha dado outras tantas vezes e as mesmas tantas vezes tinha-se dado mal. Alguém já não se queria dar mais - assim - porque a vida é de partilha e não de compromissos de "novela da noite" ou de espartilhos de liberdade.

Alguém jurou que nunca mais se permitiria a ser paquete turístico em escala no mar do amor, na pasmaceira da obrigatoriedade de uma média ponderada (indexada a uma qualquer Euribor de romance) de contactos diários e das recorrentes demonstrações de afecto para internautas & outros verem, e mesmo que a navegar ao sabor da maré, iria certamente afastar-se da correnteza naufragante dos ciúmes e das subsequentes figuras patéticas que por aí assombram.

Alguém aprendeu com alguém que o amor é uma coisa bonita, cheia de ingenuidades e castelos cor-de-rosa, mas não tão perfeito como anunciam, isso, alguém aprendeu com outro alguém. No fim a felicidade não se importa com definições estrangeiras de amor ou paixão.

Alguém reparou que a vida dá-nos sempre, se formos justos, aquilo pedimos e que de certa forma, fazemos por merecer. Alguém aprendeu a assumir e a não julgar os defeitos dos outros, a ser mais tolerante e a não estabelecer nas relações uma garantia vitalícia baseada em coisas que nos ultrapassam, mas apenas porque gostamos de estar com alguém que simplesmente ouve, sente e pensa em sintonia connosco, e que nos aceita, ou tolera, em quase todos os feitios, sobretudo nos péssimos, de manhã ao acordar e ao fim do dia, e que nos fazem sentir melhores pessoas, não apenas por palavras, mas nos pequenos e grandes gestos que nos fazem crescer, abraços e beijos que nos fazem sentir compreendidos, e porque não, amados...

 

...isso ou apenas mais uma bola de neve a deslizar do cume do Evereste!

 

 

YOU CAN'T ALWAYS GET WHAT YOU WANT - "Let It Bleed"

Richards / Jagger

 

I saw her today at the reception
A glass of wine in her hand
I knew she was gonna meet her connection
At her feet was footloose man
You can't always get what you want
You can't always get what you want
You can't always get what you want
But if you try sometimes well you might find
You get what you need
 
I went down to the demonstration
To get my fair share of abuse
Singing, "We're gonna vent our frustration
If we don't we're gonna blow a 50-amp fuse"
You can't always get what you want
You can't always get what you want
You can't always get what you want
But if you try sometimes well you just might find
You get what you need
 
I went down to the Chelsea drugstore
To get your prescription filled
I was standing in line with Mr. Jimmy
And man, did he look pretty ill
We decided that we would have a soda
My favorite flavor, cherry red
I sung my song to Mr. Jimmy
Yeah, and he said one word to me, and that was "dead"
I said to him
You can't always get what you want
You can't always get what you want
You can't always get what you want
But if you try sometimes well you just might find
You get what you need
You get what you need, yeah, oh baby
 
I saw her today at the reception
In her glass was a bleeding man
She was practiced at the art of deception
Well I could tell by her blood-stained hands
You can't always get what you want
You can't always get what you want
You can't always get what you want
But if you try sometimes well you just might find
You just might find
You get what you need
You can't always get what you want
You can't always get what you want
You can't always get what you want
But if you try sometimes you just might find
You just might find
You get what you need
 

Mr Anger às 23:40
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 1 de Julho de 2017

Cuida de ti, pequeno Godzilla #2

Se te limitares a aprender apenas o que te querem ensinar, nunca vais saber realmente nada.


Mr Anger às 10:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 30 de Junho de 2017

O contracto (em actualização)

 

Quando chegares aos 67, faz log-off.

(e fecha a porta)


Mr Anger às 01:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 29 de Junho de 2017

O mar enrolado em ti

 

Um dia subi contigo a um miradouro escondido, pequeno parque de estacionamento secreto, varanda natural sobre a praia, aí trocámos de corpos, diluímo-nos um no outro, amassados, ofegantes, completos. Nesse dia, sem me aperceber, guardei para a eternidade o teu sabor, o teu toque suave de mãos pequenas e delicadas, o teu perfume, a sensação da leveza do teu corpo no meu quadril. Vivi o sonho, trinquei o desejo, agarrei-me a ti até ao último vestígio na colher, lambida até ao metal, até ao último travo de cigarro, fumado até ao vazio, até à última gota no copo, bebida de um só trago, até cair, redondo, apático, numa overdose de ti.

 

Estaremos sempre por ali, num lugar secreto entre a maré cheia e a maré vaza

tags: , ,

Mr Anger às 01:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016

Cuida de ti, pequeno Godzilla #1

 

Se passares a vida a fazer apenas aquilo que te pedem, nunca passarás de um escravo.

 


Mr Anger às 09:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 2 de Agosto de 2016

Ticket to ride

 

Lantejoulas cintilantes resplandeciam do teu decote, enquanto tentavas, de forma pouco dissimulada colocar o fio dos headphones por dentro da blusa. Impávido e sereno passeava o reformado, obstinado na tentativa vã de controlar o caos enfadonho em que se tornou a sua existência e corpo, e que internamente já lhe mostrava os sinais de falência. A jovem americana continua sem fazer puto de ideia do que é Portugal, apêndice de Espanha, desvio de rota, voto de must see do tripadvisor, irá comer sardinhas caras, beber cerveja barata e comprar souvenirs de cortiça. A jovem decotada afinal ouve musica moderna, aparentemente o Rock não abalou as novas gerações, tornou-se vintage na sua plenitude, obra, ouvintes e executantes.

 

Nada contra, haja dinheiro e saúdinha, cá se vai andando, dizem que vem aí bom tempo, quem me dera ter outra vez "vintanos".

 


Mr Anger às 09:40
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 13 de Dezembro de 2015

Folhas arrancadas de um livro

 

Que mais sentiria o coração, na hora da arritmia sentimental, depois do alvoroço e das lágrimas perdidas na calçada, diluídas no lixo calcado de tantas vidas alheias, que diria eu, em próximos jantares de família e amigos, que desabafos ou palavras teria?

 

Haveriam certamente explicações para dar, frases feitas para ouvir, copos cheios para esvaziar, mas para que lado iria eu dormir, sonâmbulo sem-abrigo, e em que colchão me iria deitar?

 

Fariam sentido ou serviriam de amparo, as bengalas substitutas ao teu ombro? Vingaria-me nos lugares comuns, manifestações corriqueiras e previsiveis de um choradinho à laia de um "Gloria Gaynor" másculo ou escolheria as espirais silenciosas e apáticas dos processos auto-destrutivos?

 

Tudo faria sentido, mas nada significaria o mesmo, sem ti.

 

(Nunca significou)

 


Mr Anger às 18:45
Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 27 de Abril de 2015

O amor habitual

 

Foi num estado de completo desespero que Pedro saiu e fechou a porta atrás de si, convicto que seria a última vez a fazê-lo, apoiando-se na teoria apressada da inevitabilidade das coisas. Quem não tivesse o hábito humano de observar faces – e assim reparar que tinha estado a chorar - facilmente apercebia-se, pela sinalética corporal agitada e confusa de quem desce os lances de escadas a galope - de 2 em 2 degraus desde o 5º andar, e cara em forma de seta - que algo não estava bem, e que  nesse preciso momento não existia mais nada atrás de si.

 

Ainda esperou que uma voz o tentasse deter, um: “Pedro espera, por favor, volta para dentro”, que ele obviamente retorquiria com o egocentrismo aliviado de um: “Não Joana, falamos depois”, era esse a táctica de um jogo não planeado, o habitual, mas desta vez nada existiu ao sair disparado pela porta, nem ao descer as escadas, ao fechar a porta do prédio, no trajecto que fez até ao carro, do carro para outro lado, no passar sequencial e vagaroso dos quilómetros, ao meter a chave noutra porta, ao ficar atónito e estarrecido no sofá. Nada. Apenas ouvia dentro de si as vozes de um caos que já estava bem instalado.

 

Pedro amava Joana, uma banalidade, Joana amava Pedro, algo que ele agora só queria ter novamente por certo.

 


Mr Anger às 09:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

Regras base - Sobre(a)vivência #2

 

Nunca apontes uma arma a um gajo que tem as mãos nos bolsos

 


Mr Anger às 08:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23 de Abril de 2015

No estrangeiro também se diz saudade

 

Do quarto de hotel não se vislumbravam linhas no horizonte, apenas paisagens contrastantes de parques de estacionamento, prédios, esplanadas e montanhas de cume branco, e também a ténue memória de esperança anexa a ti.

 

As sandes low-cost de razoável valor nutricional saciavam um estômago vazio e a cabeça almejava um pouco mais de liberdade na presença de um saudoso sentimento de voltar a estar em casa.

 

Fazes-me falta... tanto quantas as vezes que o digo! (sempre)

 

LIKE A STONE - "Audioslave"

Cornell, Morello, Commerford, B. Wilk

 

On a cob web afternoon,
In a room full of emptiness
By a freeway I confess
I was lost in the pages of a book full of death;
Reading how we'll die alone.
And if we're good we'll lay to rest,
Anywhere we want to go.

In your house I long to be;
Room by room patiently,
I'll wait for you there like a stone.
I'll wait for you there alone.

And on my deathbed I will pray to the gods and the angels,
Like a pagan to anyone who will take me to heaven;
To a place I recall, I was there so long ago.
The sky was bruised, the wine was bled, and there you led me on.

In your house I long to be;
Room by room, patiently,
I'll wait for you there like a stone.
I'll wait for you there alone, alone.

And on I read until the day was gone;
And I sat in regret of all the things I've done;
For all that I've blessed, and all that I've wronged.
In dreams until my death I will wander on.

In your house I long to be;
Room by room, patiently,
I'll wait for you there like a stone.
I'll wait for you there alone, alone.

 


Mr Anger às 08:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Raio-X

 

Na vida não peso a sorte

Pois tudo de mim deriva

A minha vontade é viva

Da vida só temo a morte

 


Mr Anger às 09:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 21 de Abril de 2015

Regras base - Sobre(a)vivência #1

 

Antes de saltares para o desconhecido, assegura-te que não é um precipício. Antes de saltares para dentro de um buraco, assegura-te que consegues sair dele sozinho.

 


Mr Anger às 08:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

mranger.blog@gmail.com


Ver perfil

Adicionar como amigo

. 120 seguidores

Pesquisar (Blog)

 

Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Post's Recentes

O amanhecer não tem hora ...

Transformers

A menina dança?

Paisagens itinerantes (do...

São Domingos

A Dimensão Humana

Dia-a-dia da formiga

Regras base - Sobre(a)viv...

O amor (é) de alguém

Cuida de ti, pequeno Godz...

O contracto (em actualiza...

O mar enrolado em ti

Cuida de ti, pequeno Godz...

Ticket to ride

Folhas arrancadas de um l...

O amor habitual

Regras base - Sobre(a)viv...

No estrangeiro também se ...

Raio-X

Regras base - Sobre(a)viv...

Factual mundano - Autocar...

Mau karma (ou azar ao jog...

Jogos de vida

Modem em sincronismo

Verdades (in)discutíveis

Natureza morta com pormen...

As estatísticas dizem-me ...

Obliterar (é preciso)

De barba feita:

O perdedor (fecha a porta...

Lx Strip

Vitória (?)

Recortes flamejantes no h...

Gentes da minha terra

Curtes alpista ?

Roedores & Armadilhas

A Bolha

A cultura é gourmet

Pés na estrada

The head bone's connected...

Mare nostrum

A vida é bela

Lucky strike

Lapsos temporais

Memória de Ferro (O.s.p.e...

Objectivamente delirante

Girino

Burros (de carga) pensant...

As flores no teu cabelo -...

Nenhum pássaro me sussurr...

Arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Abril 2020

Maio 2018

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

Almaemformol, espaço emblemático na invicta entre ...
Olá caro/a Anónimo,A vida, e as vidas, fazem-se de...
É...a vida anda dificil, moço. Valera a pena meram...
Hey... Por aqui, por aí, vivendo e sobrevivendo co...
... e vice-versa.
Hey...o que é feito de si?
Cada um tem aquilo que merece....
opiniões não solicitadas... ;-)
Então a tua escolha esta feita. Feita ha muito tem...
À medida que vamos "crescendo", a bagagem aumenta....

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub