Sexta-feira, 11 de Junho de 2021

O amanhecer não tem hora marcada

 

As sirenes em correria das ambulâncias e carros de policia ecoavam no horizonte próximo, em avanços, recuos e mudanças de direção bruscas, serpenteando entre as ruas, buzinadelas de "chega para lá", roteiros percetíveis pelas variações do eco do seu grito de alerta, e João, filho da Dona Fátima, estava no quarto deitado, longe desse bulício, ainda afogado no absurdo do absinto, adormecido mas sem conseguir dormir, numa manhã que acordava sem raios de sol, porque o céu nasceu nublado, com um leve filtro de cinzento claro a cobrir toda a paisagem, sem vento, nem frio.

 

Maria João, separada do mundo por tijolos cimento e azulejos, perdia mais do que os seus habituais 15 minutos - os mínimos olímpicos - a aplicar uma maquilhagem convincente, e com isso, atropelava-se numa correria contra o relógio, entre o quarto e a casa de banho, para num último instante, em 2 atos, enfiar-se dentro de um vestido, e como por magia, ficar pronta, com apenas míseros 7 minutos de atraso (com sorte não apanharia trânsito naquele maldito semáforo),

 

O Sr. António já passeava na rua e passava os rotineiros olhares românticos e orgulhosos sobre o seu carro semi-novo, foram décadas a levantar-se às 6h30, não seria a reforma a mudar os velhos hábitos, fazia desde cedo a ronda diária à rua, depois de ter ido comprar o pão fresco, o jornal e o maço de tabaco deixou de comprar na papelaria faz perto de 5 anos, substituiu o vicio por raspadinhas, o médico diz que foi o melhor que ele fez, a mulher e os seus cortinados da sala corroboram (as noticias passou a ver no telemóvel e no tablet). O Sr. António sabia qual funcionamento diário de todos os vizinhos do prédio, as movimentações do "quem e a que horas", sabia também a trajetória exata do Sol durante todos os meses e estações do ano, e quais os melhores lugares de estacionamento da rua para proteger a pintura do carro dos maliciosos raios UV.

 

Um miúdo fazia birra em plena calçada, e demonstrava a plenos pulmões que não queria ir para a escola, "que isso não podia ser todos os dias", e o pai respirava fundo e tentava explicar-lhe, mais uma vez, que os meninos vão para a escola e ele tinha de ir trabalhar, que não havia alternativa, que era assim, e depois suspirava, do fundo da alma, com o peso dos problemas dos adultos em cima dos ombros, e por não querer, igualmente, ir trabalhar.

 

A meio da manhã, o Sol fintou as previsões meteorológicas e já beijava a face de todos, por entre janelas e vidraças, incluindo o carro do Sr. António.

 

(João dormia profundamente)

 


Mr Anger às 12:25
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 7 de Maio de 2021

Transformers

 

Entre a espada e a parede do sonho de mais um beijo, inequívoco, profundo de amor, e o despertar para o abandono da cama quente em direção a um café da manhã apressado, de chinelos nos pés, a arrastarem-se para a sala, onde começa o dia, onde começa a jornada, em scrolls de ecrã táctil numa dança já bem ensaiada, quotidiana e onde o pijama se transforma em farda e onde não existem barreiras físicas ao que somos e onde estamos. Um jogo, só mais um nível de um jogo, um teatro de cenário único onde tudo começa e finda em nós, onde imaginamos e fazemos acontecer, onde descobrimos o valor insignificante das rotinas do passado, ultrapassadas, mas também a precariedade desumanizada da presente, talvez futura, onde tentamos meter na balança o nosso real valor, e peso, para ou bem e para o mal, onde tentamos ver e descobrir a verdadeira importância das coisas, e onde acabamos por nos afundar, ainda mais fundo, no sofá, atónitos, fetais.

 

Tudo um caos, tudo adaptação e sobrevivência, tudo organização desorganizada, no fio da navalha, explosões de felicidade extrema e de desalento, desamparo, e depois a bonança, ou o Bonanza, o que seja, qualquer um deles, o que vier com melhor índole, o que estiver a dar na TV, dentro e fora do horário de almoço, entre aspiradores e estendais, relatórios e falhas de sistema, prazos apertados, internos e externos, louça na máquina a lavar, processos por fechar, tudo misturado, puro desatino.

 

Bem-vindos à Twilight Zone.

 


Mr Anger às 10:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 29 de Abril de 2021

A menina dança?

 

Do Verão esperámos sempre o sol, e o calor, do amor a paixão, da vida a felicidade.

 

Em dúvidas fora-de-horas, o quotidiano lança a semente, a dúvida, a pulga atrás da orelha que nos impele a mexer-nos, a levantar os braços aterrados sobre a mesa, o emergir da cabeça por entre os ombros, o olhar no horizonte, o restart cerebral na forma de bifurcações mentais, pensamentos a percorrer o desconhecido, encruzilhadas, e a eterna pergunta: "será possível?"

 

A vida é pródiga em exemplos de sucesso e insucesso, de boas e más decisões e da causa-efeito desses atos, onde o arriscar é nublado e incerto: "podes perder tudo", mas onde o deixa-andar amordaçado acaba sempre num suspiro: "isto não é vida".

 

Arranjamos sempre desculpas para o nosso insucesso, e normalmente culpamos a conjuntura ou terceiros, arranjamos sempre factores externos ao esforço para explicar o sucesso dos outros, e olhamos para o nosso próprio sucesso, numa dicotomia bipolar entre o desacreditado "nem acredito na sorte que tive" ao egocêntrico "o azeite vem sempre ao de cima".

 

Vivemos assim, não num Submarino amarelo, mas dentro de uma enorme máquina de lavar roupa, num eterno programa da lavagem, onde num rodopio se misturam a incerteza e a tacanhez. A incerteza, do medo de perder tudo, de falhar, perante nós e perante os outros e a tacanhez do conforto de não sair do mesmo sitio, de não arriscarmos, de não saltarmos do balcão do bar - onde nos afundamos e refugiámos em copos meio-cheios - para a pista de dança, para mostrar e arriscar aquilo que somos e almejamos atingir, incluindo, se assim tiver de ser, de cair e de falhar.

 


Mr Anger às 10:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016

Cuida de ti, pequeno Godzilla #1

 

Se passares a vida a fazer apenas aquilo que te pedem, nunca passarás de um escravo.

 


Mr Anger às 09:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

Regras base - Sobre(a)vivência #2

 

Nunca apontes uma arma a um gajo que tem as mãos nos bolsos

 


Mr Anger às 08:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Raio-X

 

Na vida não peso a sorte

Pois tudo de mim deriva

A minha vontade é viva

Da vida só temo a morte

 


Mr Anger às 09:29
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 21 de Abril de 2015

Regras base - Sobre(a)vivência #1

 

Antes de saltares para o desconhecido, assegura-te que não é um precipício. Antes de saltares para dentro de um buraco, assegura-te que consegues sair dele sozinho.

 


Mr Anger às 08:55
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

Sai cognac para a mesa quatro

 

Discutir por causa de atrasos será sempre uma perda de tempo.

 


Mr Anger às 20:10
Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14 de Outubro de 2014

Verdades (in)discutíveis

 

Regra n°1:

Nunca emprestes dinheiro, nunca fies droga

 


Mr Anger às 00:10
Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

As estatísticas dizem-me que amanhã vai estar um lindo dia

 

O passado é o reflexo do que viveste hoje. Se vives no passado, vives num paradoxo!

 

 

TIME - "Dark Side of The Moon"

Gilmour / Mason / Waters / Wright

 

Ticking away the moments that make up a dull day
You fritter and waste the hours in an offhand way.
Kicking around on a piece of ground in your home town
Waiting for someone or something to show you the way.

Tired of lying in the sunshine staying home to watch the rain.
You are young and life is long and there is time to kill today.
And then one day you find ten years have got behind you.
No one told you when to run, you missed the starting gun.

So you run and you run to catch up with the sun but it's sinking
Racing around to come up behind you again.
The sun is the same in a relative way but you're older,
Shorter of breath and one day closer to death.

Every year is getting shorter never seem to find the time.
Plans that either come to naught or half a page of scribbled lines
Hanging on in quiet desperation is the English way
The time is gone, the song is over,
Thought I'd something more to say.

Home
Home again
I like to be here
When I can

When I come home
Cold and tired
It's good to warm my bones
Beside the fire

Far away
Across the field
Tolling on the iron bell
Calls the faithful to their knees
To hear the softly spoken magic spell

 


Mr Anger às 23:59
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 8 de Maio de 2014

O perdedor (fecha a porta e apaga as luzes)

 

Apostas ao som da carta batida

Latido de cão doente

Falência renal ao sair dos trintas

Será que vives, ou só tentas?

E a pressão de um filho nos braços, aguentas?

Falácias, sonhos, fugazes euforias

Amor eterno por quem morres ate findar

Cama do amor, do sexo que fazias 

Onde tantas vezes sorrias

Onde acabaste a chorar

Carro novo, carro velho

Ganhar pouco, desemprego

Amar pouco, amor eterno

Esquizofrenicamente vives

Tu, eterno desesperado

Estás velho

Gordo

Cabeça careca

Precocemente enferrujado

Quem tu queres enganar, enganado?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LOSER - "Mellow Gold"

Carl Stephenson Beck

 

In the time of chimpanzees I was a monkey
Butane in my veins so I'm out to cut the junkie
With the plastic eyeballs, spray paint the vegetables
Dog food stalls with the beefcake pantyhose
Kill the headlights and put it in neutral
Stock car flamin' with a loser and the cruise control
Baby's in Reno with the vitamin D

Got a couple of couches sleep on the love seat
Someone keeps sayin' I'm insane to complain
About a shotgun wedding and a stain on my shirt
Don't believe everything that you read
You get a parking violation and a maggot on your sleeve
So shave your face with some mace in the dark
Savin' all your food stamps and burnin' down the trailer park

(Yo cut it)
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
Soy un perdedor
I'm a loser baby, so why don't you kill me?

Forces of evil in a bozo nightmare
Banned all the music with a phony gas chamber
Cause one's got a weasel and the other's got a flag
One's got on the pole shove the other in a bag
With the rerun shows and the cocaine nose job

The daytime crap with the folksinger slop
He hung himself with a guitar string
Slap the turkey neck and it's hangin' on a pigeon wing
You can't write if you can't relate
Trade the cash for the beef for the body for the hate
And my time is a piece of wax fallin' on a termite
Who's chokin' on the splinters

Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
(Get crazy with the Cheeze Whiz)
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
(Drive-by body pierce)
(Yo bring it on down)
(I'm a driver I'm a winner things are gonna change I can feel it)
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
(I can't believe you)
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
Sprechen Sie Deutche, baby)
Soy un perdedor
I'm a loser baby so why don't you kill me?
(Know what I'm sayin'?)

 


Mr Anger às 09:20
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 6 de Maio de 2014

Non, rien de rien (non, je ne regrette rien)

 

Como poderia eu começar se o que apenas me interessava era o fim, o producto acabado, o resultado? Como poderia eu desenhar ou construir a estrada se a minha sede era de apenas sentir o alcatrão já usado e seguro, com marcas de travagem a indicar as curvas perigosas, mais facilmente respeitáveis que meros avisos e sinaléticas do senso comum? Como poderia eu arriscar, se sempre me deixei guiar pelo confortável e pelo sentido de oportunidade apurado?

 

A verdade, se é que existe realmente uma, é que me vou sempre safando, e também, que amo profundamente, da maneira mais pura e verdadeira que conheço - simplesmente hilariante - as coisas, sinto por isso que conheço bem as bases em que se constrói e destrói o amor e também que a minha inépcia ditará (sempre) o seu fim. Será isto choradinho de misericórdia ? Será um apontar do dedo ao espelho ? Será o eterno complexo de culpa de que todos padecemos, mais ou menos, de forma intensa ?

 

Claro que não, são apenas merdas que eu penso, diariamente, por norma sempre antes do almoço, por isso, deve ser fome.

 

(quando mistificamos o sentido das coisas, encontramos significado em tudo)

 


Mr Anger às 10:31
Link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Recortes flamejantes no horizonte (ou apenas um titulo pomposo que nada diz)

 

Merda para isto tudo, teia de aranha ao vento, desde o ventre, dores de cabeça latejantes, consumismo desenfreado, Ben-U-Rons de 1grama, um gajo parecido ao Eric Clapton no metro, o meu pai na cara de mil velhotes, mendigos, medo, soluços, vida saciada de bons momentos, espartana, espartilho que agora o comprova, férias marcadas, férias gozadas, filhos nascidos, criados, vidas passadas, tecnologias ultrapassadas, saudosismos do que fomos, do que já não somos, assombros, destroços.

 

Ser só feliz já não chega (nem nunca chegou)

 


Mr Anger às 09:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 27 de Novembro de 2013

A Bolha

 

Esquissos da vida em cadernos ainda com ar virginal,

portas abertas a pedido

O prazer sublime da negação

A guitarra electrificada a marcar o ritmo da vida comum,

como se a salvação morasse perto,

a vida vivida em sonhos, ideias, ideais,

o atrofiamento físico e mental constante,

memorias em micro cartões de armazenamentos de dados,

memorias digitais, automatismos, autómatos,

ilusão, alienação, montanhas,

cadencia, perseverança,

conquista, derrota.

 

Tudo um FPLOP!

 


Mr Anger às 10:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 12 de Setembro de 2013

Pés na estrada

 

Ridiculamente vagueando

Entre o riso e a falsidade

Coisas tuas, só tuas

Imutáveis com a idade

Ilegalidades!

Amor próprio mas sem definição

Estigmas herdados, recalcados

Passados à próxima geração

Absolvição?

A culpa mora em casa alugada

E tu no alpendre, sentada

Eternamente perdida

Deixas o tempo passar

 

Onde vais assim parada?

 


Mr Anger às 11:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

The head bone's connected to the foot bones

 

 Já não corro para apanhar autocarros! Não por inépcia física ou fundamentalismos, não o faço, desisti de o fazer, ou melhor, deixei-me disso!

 

A experiência diz-me que acaba sempre por vir outro a seguir e muitas das vezes com lugar perto da porta de saída e sem velha com cheiro a mijo de gato ao nosso lado!


Mr Anger às 09:35
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 11 de Julho de 2013

Lucky strike


O destino alicerçado em crenças pessoais, ornamentado de raras estrelas que nos ofuscam de brilho, a tempos, ou de cavalos brancos alados que passam sem sela na nossa frente, são seguros.

Acreditar em nós funciona sempre, mas por direito adquirido, sem espaço para a osmose ou para as teorias espíritas de linhas telefónicas de valor acrescentado. Não existe sorte por sorte, ou arvores de fruto sem origem na semente.


Mr Anger às 09:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013

Lapsos temporais


A véspera que antecede a batalha é também ela tempo de guerra


Mr Anger às 21:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 28 de Março de 2013

Memória de Ferro (O.s.p.e.n.M.r.p.v.é.T.)


"A páginas tantas da vida, se me tivesses dito que o Mundo tinha sido invenção tua, eu tinha acreditado, não por ser lógico, mas sim pelo estado irracional dos momentos, não duvidaria que todas as coisas grandiosas que existem pudessem ter tido em algum momento o toque dessas pequenas mãos talentosas, por tanto acreditar nelas e nas palavras enfeitadas de ornamentos linguísticos, tiques, convicções e portões de castelo escancarados.

 

Tu, só tu, no fim das contas, acreditando que o amor existe e tem escala, quantidades mensuráveis, recordes, então foste tu, foste e sinto que serás sempre tu o meu limite. Há muito que já desapareceram as tuas marcas, os teus vestígios físicos já foram suave ou abruptamente diluídos pelo tempo, já não apanho cabelos teus na roupa de casa ou da rua, o teu perfume há muito que já abandonou a minha pele, as vidas já seguiram outros caminhos, o verão já terminou e as colchas de inverno são puxadas agora para outro destino, mas continuas presente, onde te guardo junto de outras tantas boas memórias, que prova que o amor nunca se apaga mas que mal (di)gerido pode facilmente tornar-se em doença incurável, patologia mental a roçar a loucura se por ela nos deixarmos dominar, deslocando-nos o centro de gravidade para mais perto do chão, arrastando-nos, colocando-nos de joelhos subservientes à dor, atacando-nos permanentemente de forma impiedosa sempre que a impossibilidade de um beijo se torna num doloroso facto consumado na nossa cabeça e que abraços e momentos se figuram como irrepetíveis, sufocantes, meras fotografias mentais cada vez mais esbatidas ou consumidas, em chamas."

Será então esse o lugar digno para um amor maior, um punhal cravado que teima em sair das nossas costas? Um mero resultado doloroso da sua privação? A consequência directa de uma jogada salvadora que ficou por fazer? Uma auto-punição constante por um qualquer esquizofrénico "erro crasso" que nos levou a sucumbir ao xeque-mate?

O tempo diz-nos que de nada servirá essa razão, a filosofia barata ou a irracionalidade de tentar apagar ou autopsiar os factos, a seu tempo, com paciência e sabedoria isso soará apenas a escape de quem tenta a todo o custo não querer sofrer. No fim, se não cedermos à loucura, ao devaneio, veremos que o que nos resta será sempre e inequivocamente apenas amor, mesmo que já extinto, datado, e aparecerá sempre, mesmo que não se queira, na imagem do sorriso do outro, da sua maneira de ser, da sua beleza, inteligência ou sentido de humor, memórias conjuntas e felizes de um passado que  estranhamente, ou felizmente, depois de aceite já não provoca qualquer tipo de dor, angústia ou desespero, apenas uma espontânea e passageira saudade expressa fisicamente num por vezes inoportuno sorriso parvo de quem recorda um momento de felicidade em segredo:

"Nada amor, estava só a lembrar-me de uma coisa engraçada, então e afinal, sempre passamos no supermercado?"

(E são essas memórias que nos fazem bem à vida)


Mr Anger às 12:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Março de 2013

Objectivamente delirante


"Foi ali, naquele preciso momento, entre o refogado de frango e a massa a cozer na água borbulhante que eu percebi, como uma criança que desvenda um segredo que só devia perceber em adulto, que tudo isto não passa de uma enorme palhaçada sem tenda, que é tudo uma grandessíssima falácia, uma enorme e maquiavélica teoria de manipulação esquizofrénica, isto se eu quiser ser bonzinho e deixar os bois órfãos de nome, porque se eu começasse praqui a cavar rumo à verdade, ui, meu amigo, furava um buraco de um lado ao outro do mundo, desenrolava um infinito novelo que daria pano para mangas, costas e frentes de muitas camisolas de lã! Não controlamos nada, nada! E os jornais? Telejornais? Telenovelas? Reality shows? Redes sociais? Artes? Tudo ao serviço da grande máquina, tudo rodas dentadas da grande debulhadora de vidas e sonhos que nos persegue e sufoca, aqui não há lugar para os fracos, mas mesmo que sejamos fortes e lutemos, no fim, acabamos todos por ser ceifados!"

E que pode um homem convergente com o conceito de normalidade fazer perante tal cenário? Como agir ou o que dizer perante tais argumentos?

Aplaudir e dar uma palmadinha nas costas?  Enxotar e mostrar repudio? Sugerir uma consulta num psiquiatra amigo com falta de clientes? Lançar para o ar uma frase feita ambígua e aproveitar para ingerir a cerveja enquanto esta não está em modo moribundo?


"Infelizmente o parquímetro ficou-me com os trocos todos, mas sempre ouvi dizer que salvação é ali com o senhor que mora na casa de estranha arquitectura!"


Mr Anger às 09:45
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

mranger.blog@gmail.com


Ver perfil

Adicionar como amigo

. 120 seguidores

Pesquisar (Blog)

 

Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Post's Recentes

O amanhecer não tem hora ...

Transformers

A menina dança?

Cuida de ti, pequeno Godz...

Regras base - Sobre(a)viv...

Raio-X

Regras base - Sobre(a)viv...

Sai cognac para a mesa qu...

Verdades (in)discutíveis

As estatísticas dizem-me ...

O perdedor (fecha a porta...

Non, rien de rien (non, j...

Recortes flamejantes no h...

A Bolha

Pés na estrada

The head bone's connected...

Lucky strike

Lapsos temporais

Memória de Ferro (O.s.p.e...

Objectivamente delirante

Burros (de carga) pensant...

Nenhum pássaro me sussurr...

Comprar tabaco (eu fui)

Amor em formol

Introdução à Economia: "V...

Pensamento à janela... (d...

Just a little pin prick (...

Não me apetece jantar - (...

La hora del té

O almoço (mais uma colher...

Le petit déjeuner

Entre coisas

Tu queres ou simploriamen...

Instantâneo II (... com S...

Ainda bem que voltaste

Instantâneo (basta juntar...

A Plagiadora (de emoções)

Onde andas Jorge ?

Profundamente falando...

Horizontalmente falando.....

Acordar (ainda vamos a te...

Bola de Neve

Ups... desculpa... de ver...

Ups... desculpa...

Ups...

Cartas nocturnas

V.T.C. - Velhas Teorias d...

A verdade em 6 linhas e m...

Loop emocional

Vagueante do tempo e do e...

Arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Abril 2020

Maio 2018

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

Almaemformol, espaço emblemático na invicta entre ...
Olá caro/a Anónimo,A vida, e as vidas, fazem-se de...
É...a vida anda dificil, moço. Valera a pena meram...
Hey... Por aqui, por aí, vivendo e sobrevivendo co...
... e vice-versa.
Hey...o que é feito de si?
Cada um tem aquilo que merece....
opiniões não solicitadas... ;-)
Então a tua escolha esta feita. Feita ha muito tem...
À medida que vamos "crescendo", a bagagem aumenta....

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

53 comentários
45 comentários
40 comentários
25 comentários
19 comentários
16 comentários

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub