Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

La hora del té

 

Quem não força os limites, limita-se a pensar que eles existem…

 

(quem/onde/como)

 

 

 

 

TAKE IT TO THE LIMIT - "One of these nights"

The Eagles - Henley, Frey, Meisner

 

 

All alone at the end of the of the evening
And the bright lights have faded to blue
I was thinking 'bout a woman who might have
Loved me and I never knew
You know I've always been a dreamer
(spent my life running 'round)
And it's so hard to change
(can't seem to settle down)
But the dreams I've seen lately
Keep on turning out and burning out
And turning out the same

So put me on a highway
And show me a sign
And take it to the limit one more time

You can spend all your time making money
You can spend all your love making time
If it all fell to pieces tomorrow
Would you still be mine?

And when you're looking for your freedom
(nobody seems to care)
And you can't find the door
(can't find it anywhere)
When there's nothing to believe in
Still you're coming back, you're running back
You're coming back for more

So put me on a highway
And show me a sign
And take it to the limit

One more time

Take it to the limit
Take it to the limit
Take it to the limit

One more time


Mr Anger às 16:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
45 comentários:
De Ironias a 2 de Outubro de 2009 às 18:05
Querida Pat,
Costumo escrever e ler muitíssimo mais em inglês do que em português, daí que tão facilmente deslize para para a língua da "Tia Betinha"= Elizabeth II

Quer que lhe dê um exemplo básico, básico de irreverrsibilidade em tudo, tudo o que fazemos???
Experimente dar à luz um filho e depois ver se consegue de novo na protecção do seu ventre, ao abrigo deste mundo desumano, onde por mais que tente nunca o poderá proteger de todas as ameaças com que são obrigados a lidar.
Sei que o exemplo é extremo, mas preste muita atenção a tudo o que faz, a cada palavra que diz, a cada escolha de caminho e verá que eu não me engano: IRREVERSÍVEL. Nem connosco próprio podemos fazer batota! Fingir para nós mesmos que não dissemos o que dissemos, ou não fizemos o que na verdade fizemos.

Oh yes, we can always change for the better, HOWEVER, when we try to change something inside us, we are only too aware of the irreversibility of what we did before. IRREVERSIBLE: You cannot ever, ever, go into your past and delete the choices you've already made up til now.
You cannot cheat your past. You would be cheating yourself, in the first place... Then, all those around you.
You've got to integrate it, in case you want to change for the better.

Um grande sorriso para si também. :-)
É sempre bom ver - ecos - de solidariedade cósmica :D (estou mais habituada a "mandarem dar uma curva...")
Thanks, Pat :D, :D


De Pat a 8 de Outubro de 2009 às 17:33
De nada,i do it for free.Sorrisos e palavras ainda são gratuitos e ofereciveis :D Disponha.


De Ironias a 8 de Outubro de 2009 às 17:49
Ah, Pat,
Gosto disso!
Também sou generosa em tudo...
Faz-me lembrar Pedro Abrunhosa: "Tudo o que me dás eu te dou a ti" a multiplicar. (acho que a citação ficou ao contrário, mas está bem adequada assim...)
Sou o que chama "uma mãos largas".

Os sorrisos, gargalhadas e palavras ainda não pagam imposto (até quando?!?).

Por aqui já sinto que me a taxar o ar que respiro! :D, :D, :D


Comentar post

mranger.blog@gmail.com


Ver perfil

Adicionar como amigo

. 119 seguidores

Pesquisar (Blog)

 

Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Post's Recentes

Regras base - Sobre(a)viv...

Regras base - Sobre(a)viv...

O amor (é) de alguém

Cuida de ti, pequeno Godz...

O contracto (em actualiza...

O mar enrolado em ti

Cuida de ti, pequeno Godz...

Ticket to ride

Folhas arrancadas de um l...

O amor habitual

Regras base - Sobre(a)viv...

No estrangeiro também se ...

Raio-X

Regras base - Sobre(a)viv...

Factual mundano - Autocar...

Sai cognac para a mesa qu...

Mau karma (ou azar ao jog...

Jogos de vida

Modem em sincronismo

Verdades (in)discutíveis

Natureza morta com pormen...

As estatísticas dizem-me ...

Obliterar (é preciso)

De barba feita:

O perdedor (fecha a porta...

Non, rien de rien (non, j...

Tomei peyote na idade méd...

Lx Strip

Vitória (?)

Recortes flamejantes no h...

Gentes da minha terra

Curtes alpista ?

Roedores & Armadilhas

Branco ou tinto? (cheio)

A Bolha

A cultura é gourmet

Pés na estrada

A selva humana

The head bone's connected...

Mare nostrum

A vida é bela

Lucky strike

Lapsos temporais

Memória de Ferro (O.s.p.e...

Objectivamente delirante

Girino

Burros (de carga) pensant...

As flores no teu cabelo -...

Nenhum pássaro me sussurr...

A moda dos cintos apertad...

Arquivos

Maio 2018

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

A verdadeira lição que temos de retirar destes mom...
Revejo-me no que aqui escreve (e, em geral, pelo s...
Olá cara Heidi,Com o frio vigente é mais caso para...
"At first (you were) afraid, (you were) petrified....
Cara HeidiÉ por aí, como na velha máxima: "...the ...
Nada é certo dentro da nossa vida. Por mais bases ...
Se não passa de dois bitaites e mais nada, não vej...
Caro Mr AngerComo diriam as mentes simples: "Alive...
Cara Mallory,Sem querer ferir susceptibilidades, m...
Cara Mallory,Como diria o E.Jonh: "I'm still Stand...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

subscrever feeds