Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

Just a little pin prick (palavras sem fotografia)

 

Pensava eu que o mundo acabaria – mais tarde ou mais cedo – por ceder simpatias, coisas dispersas e avulsas (raras), de cheiro a mofo de não usar, descontinuadas, mas felizes. Não passou tudo de mera expectativa, da pior ilusão, enganei-me no espelho (olha para ti, sou eu) um acumular de contínuos “Dons Sebastiões” em espera que a meteorologia lhes desse uma manhã de nevoeiro cerrado e esperançoso, que tardou sempre em chegar, e onde após debelar a negação, se descobre que mesmo o mais cerrado de todos não encobre nada, é fumo de um fogo comum, apenas um ligeiro camuflado, pequena brisa suja, manto de tecido leve, que distorce mas não esconde ou trás nada que não estejamos à espera, eterno embrulho de presente que pelo toque sabemos sempre serem meias de desporto contrafeitas, e que, por suposição, experiência, mas nunca sorte, quase que adivinhamos a cor branca, eterna frustração de quem sabe sempre o que lhe espera, hoje, amanhã e depois, Tigre amansado que vive num habitat controlado, genérico, pouco expressivo, desgastante, forçado, definido, pois tudo é-lhe "explicitamente numas/aparentemente noutras" dado, nada obtido por esforço real ou vontade própria, tudo em troca de uma falácia, de uma ilusão, de um gesto maquinal de fera, uns quantos abrires de boca de tédio (bocejos) e revolta (rosnares)…

 

 

O Tigre não faz ron ron
O Tigre só quer caçar
O Tigre nunca foi bom
É fera que quer matar

 

 

Não quero mais comer dessa carne, oferecida em mão, talhada de seu nervo, de ossos escolhidos a dedo, de níveis medidos, analisados, não quero beber mais água límpida, filtrada, aditivada, quero o que calha, o que me calha, o que mereço, parem, por favor parem!! Libertem as amarras invisíveis, mordaças mentais, eu estou a rosnar, enfurecido, não é felicidade, não quero os vossos sorrisos, não me tirem fotos, estas árvores não são daqui, foram aqui plantadas, estas pedras fazem parte dos sonhos de uma Arquitecta, de um Biólogo, de alguém, não foi a natureza que as escolheu… eu não sou daqui… eu não pertenço aqui… eu não sou livre, não sou o que estão a ver… metam uma ponte no fosso e eu juro que passo, eu juro que trinco, mordo e mato… julgam-me mal… não simpatizo com as vossas simpatias… preservar dizem vocês… amor dizem sentir… amor por vocês sim, mas não me façam de joguete, marioneta do vosso egoísmo, demanda de em tudo mandar, de tudo subjugar, estou cansado dos vossos gostos, regras e vontades… quero morder o braço frágil e quebradiço de uma criança, não me conhecem, quero matar 2 ou 3 antes de ser sedado, quero sentir o sangue quente de uma jugular a escorrer-me pela garganta, quero lamber as minhas patas pastosas de sangue coagulado, quero ser odiado, quero que alguém se arrependa de me ter pensado bonito e dócil, não sou peluche, não sou producto de prateleira de hipermercado nem personagem ternurenta de filme domingueiro de animação, quero ser abatido se for preciso, morrer a tentar viver …

 

Deixem-me mostrar o que sou, o que realmente sou, pois até agora não sabem ou conhecem nada…nada!!!!

 

 

O Tigre não está mansinho
O Tigre não está quebrado
O Tigre não quer um destino
De outros para ele traçado


 

E uma besta fechou os olhos, seguiu a viagem do livre arbítrio, nesse caminho pintado a negro, breves segundos espaçados de um flash, invadidos depois de cor, das coisas que queria e quer, de lugares onde nunca esteve mas sonha, de coração acelerado que pára, mas que numa eternidade indefinida e secreta…ecoa…

 


Mr Anger às 16:45
Link do post | Comentar | Ver comentários (45) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Coisas que acontecem

  

Se as palavras fossem acompanhadas de compreensão, provavelmente diria assim, sem soluços...

 

"Isto é um segredo... meu e teu... não o maltrates ou machuques em vão, afinal de contas é  a coisa mais preciosa que existe neste mundo, partilhamo-la. Faz como eu (conselho de...), guarda tudo (memórias e segredo)  junto ao peito, mas bem lá no fundo, onde a dor se transforma em carinho, em saudade, em amor, sempre, onde não há espaço para as coisas más,  para receios ou rancores, guarda tudo como um tesouro (porque o é), e esconde-o bem, embrulhado em veludo vermelho como tu gostas, sente-o no peito e toma notas, descreve-lhe o sabor numa folha, num caderno antigo da escola ou num diário adolescente preenchido até meio, e lê-o quando precisares de sentir... ou quando sentires que precisas... novamente... ou quando te esqueceres no futuro ao que sabia, ou quando voltares a pensar que é apenas mais uma palavra entre "aal" e "zurzir"...

 

Um dia, entre hoje e amanhã vais o querer reaprender, tens aí uma boa base, lê, sente e copia (senão conseguires mais do que isso), mas nunca te esqueças que é uma arma, e uma arma que se saca para matar, não para meter medo...

 

Quem diria não é ? Quem diria...


Olha... diria assim o Fonseca de Leiria, em jeito de despedida, em frases de booklets que ninguém lê ou pouco sentido dá...

 

"Love & Bliss"..."

 

... e as lágrimas, mesmo que injustas, desperdiçadas, cairiam de seguida livremente, mas não seriam nunca de crocodilo, pois ninguém consegue fingir as de amor... as de...

 

adeus... 

 

 

 

 

 

O MEU AMOR EXISTE - "Acto Contínuo"

Jorge Palma

O meu amor tem lábios de silêncio
E mãos de bailarina
E voa como o vento
E abraça-me onde a solidão termina

O meu amor tem trinta mil cavalos
A galopar no peito
E um sorriso só dela
Que nasce quando a seu lado eu me deito

O meu amor ensinou-me a chegar
Sedento de ternura
Sarou as minhas feridas
E pôs-me a salvo para além da loucura.

O meu amor ensinou-me a partir
Nalguma noite triste
Mas antes, ensinou-me
A não esquecer que o meu amor existe.  

 

(NOTA: Infelizmente não encontrei nenhum vídeo ao vivo... temos então de nos contentar com este em "tributo a Audrey Tautou"... que pena...)

 


Mr Anger às 14:08
Link do post | Comentar | Ver comentários (7) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 28 de Abril de 2009

Horizontalmente falando...

  

 

E um silêncio sepulcral abateu-se sobre o entardecer, num céu de azul cinzento-escuro, em degradé, e as articulações do corpo começaram a doer, como se tivessem sido esticadas, compassadas de espasmos, obrigando a um abraçar do corpo em posição fetal. Os pensamentos corriam livres, puros, atordoados num olhar começando aos poucos a enevoar, como a puxar para o sono, um sono profundo.

 

Nada era tão compensador nessa altura como a almofada fofa contra a cara e o toque reconfortante dos  cobertores. Mas esses estavam longe, demasiado longes, mas quase que se sentiam, de tão habitual e conhecido ser o seu toque. Aos poucos, vindas de longe - em aproximação - começavam a chegar vozes, primeiro curiosas, depois em forma de risos incómodos e sarcásticos.

 

Conseguiram as pessoas reconhecer o Ser Humano ali deitado por terra, desprotegido, feito de sangue, suor e lágrimas tal qual como eles ? Um homem feito da mesma massa que os seus Deuses e credos apregoam ?

 

 

Os tempos eram conturbados, esquisitos, cinzentos... e uma voz sussurrou-me ao ouvido:


- "Apenas tens o que mereces vadio"

 

 

Mas será que tinha ?
 

 

 

 

 

 

PERFECT DAY - "Transformer"

Lou Reed

 

Just a perfect day,
Drink sangria in the park,
And then later, when it gets dark,
We go home


Just a perfect day,
Feed animals in the zoo
Then later, a movie, too,
And then home

Oh its such a perfect day,
Im glad I spent it with you.
Oh such a perfect day,
You just keep me hanging on,
You just keep me hanging on.

Just a perfect day,
Problems all left alone,
Weekenders on our own.
Its such fun


Just a perfect day,
You made me forget myself.
I thought I was someone else,
Someone good

Oh its such a perfect day,
Im glad I spent it with you.
Oh such a perfect day,
You just keep me hanging on,
You just keep me hanging on.

Youre going to reap just what you sow,
Youre going to reap just what you sow,
Youre going to reap just what you sow,
Youre going to reap just what you sow...

 

(in "Trainspotting")

 


Mr Anger às 12:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 11 de Abril de 2009

Bola de Neve

 

De tudo se faz uma tempestade, nasce um arrufo. Facilmente se destrói o prazer. Facilmente se aponta o dedo, dificilmente se esquece o amor, a paz, mas facilmente se apanha uma pedra, e atira-se, apenas para ver se quebra... para ouvir o barulho que faz ao estilhaçar a ténue vidraça que envolve o outro... que nos envolve a todos... que nós somos...

 

Parecemos todos fortes, queremos todos parecer demasiado fortes, demasiado perfeitos, demasiados únicos, quando nos devíamos preocupar apenas em sermos felizes, na partilha dos afectos, entremeados de alguns rasgos de ironia e mau humor, para dar tempero, mas ter como finalidade o prazer dos bons momentos, da cumplicidade, da convivência, custará tanto sermos felizes com pequenos gestos ?  Não falo apenas de amor, falo de pessoas, de relações, de minutos, de tempo... falo de magoar e assumir o erro, pedir desculpa (desde que seja de forma sincera, não importa o número de vezes, todos nos erramos)... falo de honestidade... falo de verdade e respeito...

 

Esticamos sempre um pouco mais, só para ver se sai mais sangue, se sai mais dor das nossas almas, como se o mal que trazemos cá dentro nos saísse do corpo com esses devaneios furiosos contra os outros... mas não sai, só acumula ainda mais, e afasta-nos de quem no fundo mais queremos, de quem mais nós gostamos, como se estivéssemos por vezes sedentos de saber até que ponto podemos contar com eles... mas ninguém, por mais que goste de nós, por mais que nos estime, aguenta festas meigas de mãos cardadas... curiosa gente esta que habita este planeta... curiosa gentalha que nós somos, que sempre seremos (!?)...

 


Mr Anger às 14:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (15) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 10 de Abril de 2009

La tristesse...

 

Da tristeza se faz palavra
Quando a dor trespassa o peito
Quando sinto que a vida trava
Pára e arranca no meio

 

Na estrada das horas perdidas
São rectas de sonhos desfeitos
E curvas falsas, fingidas
De ócio, mentiras, receios

 

Por entre promessas quebradas
De caras que queremos esquecidas
De pessoas que entram e cravam
Punhais em costas já feridas

 

Da tristeza se faz a vida
Por entre sorrisos abertos
De copos meio-vazios
Manhãs em que não desperto

 

De dor se enche o abismo
De um corpo não encarquilhado
Um homem que quer ser proscrito
Um corpo semi-enterrado

 

De tristeza se alimenta a alma
Quando de dor nos alimentamos
Quando transportamos no peito a faca
A faca que em nós próprios espetamos

 


Mr Anger às 12:45
Link do post | Comentar | Ver comentários (7) | Adicionar aos favoritos
|

mranger.blog@gmail.com


Ver perfil

Adicionar como amigo

. 119 seguidores

Pesquisar (Blog)

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Post's Recentes

Just a little pin prick (...

Coisas que acontecem

Horizontalmente falando.....

Bola de Neve

La tristesse...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

A verdadeira lição que temos de retirar destes mom...
Revejo-me no que aqui escreve (e, em geral, pelo s...
Olá cara Heidi,Com o frio vigente é mais caso para...
"At first (you were) afraid, (you were) petrified....
Cara HeidiÉ por aí, como na velha máxima: "...the ...
Nada é certo dentro da nossa vida. Por mais bases ...
Se não passa de dois bitaites e mais nada, não vej...
Caro Mr AngerComo diriam as mentes simples: "Alive...
Cara Mallory,Sem querer ferir susceptibilidades, m...
Cara Mallory,Como diria o E.Jonh: "I'm still Stand...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

15 comentários
7 comentários
7 comentários
Top de Blogues

subscrever feeds