Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Cartas nocturnas


 

- "Porra, acabaram-se os cigarros"

 

A rua esperava-me, o relógio do vídeo marcava 1:55 da manhã, um cachecol preto apertado à pressa bem preso no fecho corrido do casaco de pele castanho claro - já russo do uso - não fazia "pandan" com as luvas (também pretas) que infelizmente se encontravam perdidas na confusão de algo a que já chamei quarto. A barba por fazer suavizava o frio (pelo menos de forma psicológica) ao sair da porta do prédio, no caminho curto em direcção ao carro.

 

Tudo estava demasiado frio, o volante, o banco, o próprio motor custava a pegar. Mas pegou, como sempre, e ao vociferar a sua potência senti-me orgulhoso do meu velho e fiel amigo (embora de coração de lata) e também com um ego mais reconfortado (homens e seus carros, ou o prolongamento do próprio pénis - vol.1, 2 e 3).

 

Meto a marcha-atras, travão, primeira velocidade e a sequência galopante de mudanças até ao Stop. Aquelas horas não é preciso sinal pisca, sigo a marcha. A direcção era conhecida, uma estação de serviço a pouco mais de 4 quilómetros. A chauffage (ou chaufagem) não funciona num percurso tão pequeno, pelo menos neste carro, talvez no regresso o motor já tenha aquecido - resta-nos sempre a esperança.

 

As ruas estão vazias, um ou outro carro, perdido noutras tantas situações, mas pouco mais, nada de incomum para uma terça-feira a noite. Passo por milhares de pessoas invisíveis, em avenidas ladeadas de prédios, tantas vidas encaixotadas nos seus apartamentos á espera de um novo amanhecer, ou de forças para conseguir dormir, ou de paciência para que o Xanax ou o Rohypnol façam efeito... ou que o whisky não o tenha cortado...muitas janelas ainda assinalam a luz de candeeiros acesos, outras estão na penumbra, preferem talvez, ver televisão ás escuras... ou então já estão mesmo a dormir... nunca sei... não vivo lá... não conheço bem os seus ritos…


Chego à estação de serviço, estaciono de lado, na parte de "água e ar", dirijo-me ao guichet e peço o meu maço de tabaco. O homem da bomba tem um ar estranho, envelhecido para a idade, vê-se à légua que não tem o mínimo prazer naquele trabalho, mas que tem de ser. Já lhe conhecia a cara de outras incursões  nocturnas, mas só hoje reparei bem nele, é normal muitas vidas nos passarem ao lado, ignoramo-las por completo, não seria saudável não o fazer, talvez...

 

Reparo também na lapela, chama-se "João”. Actua mecanicamente, como se estivesse fora daquele lugar - sabe-se lá onde. Uma nota de 5euros na pequena gaveta deslizante, e na volta maço de tabaco, troco e talão, seguido de um "boa noite" mútuo. Estranho homem. Penso no caminho para o carro que daqui a poucos anos é provável deixar de existir aquela profissão... será tudo "self-service"... da gasolina às mortalhas...
 
Entro no carro, bato o maço de tabaco no volante (sem airbag), 4, 5, 10 vezes, não as conto, confio no instinto para que fiquem "bem batidos". Tiro o invólucro, abro o maço e tiro a prata, não ficaram, parece que a violência resultou em nada (nunca é de facto solução), devo estar a perder qualidades. Cigarro no canto da boca, chave na ignição, primeira velocidade e o mesmo percurso, agora em sentido contrário, de regresso a casa. Apanho o mesmo lugar de estacionamento que deixei, e reparo que já passou o camião do lixo. Apago o cigarro e esvazio o cinzeiro - no chão não no caixote.

 

Entro no prédio, fecho a porta e ligo a luz da escada, chamo o elevador, antes que chegue, abro a caixa de correio, apenas por abrir, por habito mecânico - como o companheiro João da bomba - e sei bem que esta se encontra vazia, sei bem que o carteiro não passa aquelas horas e que muito menos existem cartas nocturnas... mas nunca se sabe, às vezes a vida tem excepções…

 

 


Mr Anger às 05:01
Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

Tens pedra ?!

 

Paulo amava Cristina, e Cristina amava Paulo. Faziam um belo casal, e como todos os casais bonitos, passavam fins-de-semana juntos, loucos, cheios de felicidade. Paulo amava Cristina, e Cristina amava Paulo, e com o passar do tempo começaram a escolher no catalogo do IKEA os sonhos de uma vida a dois: a cor dos sofás, das paredes, os moveis da sala, e Cristina queria tudo novo, e queria os electrodomésticos todos de marca e em inox, e Paulo dizia que sim. Paulo amava e gostava de amar e Cristina gostava muito de ser amada. Paulo amava Cristina, e Cristina amava Paulo, e já contavam pelos dedos quase cheios de uma mão as passagens de ano e férias de verão juntos, julgavam-se eternos, o maior amor do Mundo, o maior amor de sempre..

 

Paulo amava Cristina, e Cristina amava Paulo, algures no caminho qualquer coisa se perdeu... e acabaram por ficar com algo sem sentido nas mãos, como um isqueiro inútil, com gás mas sem pedra... sem faísca e sem fogo... culpa de um... culpa do outro... culpa dos dois... de nenhum... mas não chegaram a fechar o punho de 5 anos volvidos. Paulo amava Cristina, e Cristina amava Paulo, e descobriram, da pior maneira, que o amor pode ser/é um producto com prazo de validade...

 

tags: ,

Mr Anger às 06:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos
|

mranger.blog@gmail.com


Ver perfil

Adicionar como amigo

. 119 seguidores

Pesquisar (Blog)

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Post's Recentes

O amor (é) de alguém

Cuida de ti, pequeno Godz...

O contracto (em actualiza...

O mar enrolado em ti

Cuida de ti, pequeno Godz...

Ticket to ride

Folhas arrancadas de um l...

O amor habitual

Regras base - Sobre(a)viv...

No estrangeiro também se ...

Raio-X

Regras base - Sobre(a)viv...

Factual mundano - Autocar...

Sai cognac para a mesa qu...

Mau karma (ou azar ao jog...

Jogos de vida

Modem em sincronismo

Verdades (in)discutíveis

Natureza morta com pormen...

As estatísticas dizem-me ...

Obliterar (é preciso)

De barba feita:

O perdedor (fecha a porta...

Non, rien de rien (non, j...

Tomei peyote na idade méd...

Lx Strip

Vitória (?)

Recortes flamejantes no h...

Gentes da minha terra

Curtes alpista ?

Roedores & Armadilhas

Branco ou tinto? (cheio)

A Bolha

A cultura é gourmet

Pés na estrada

A selva humana

The head bone's connected...

Mare nostrum

A vida é bela

Lucky strike

Lapsos temporais

Memória de Ferro (O.s.p.e...

Objectivamente delirante

Girino

Burros (de carga) pensant...

As flores no teu cabelo -...

Nenhum pássaro me sussurr...

A moda dos cintos apertad...

Os contribuintes (ou os b...

Comprar tabaco (eu fui)

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

A verdadeira lição que temos de retirar destes mom...
Revejo-me no que aqui escreve (e, em geral, pelo s...
Olá cara Heidi,Com o frio vigente é mais caso para...
"At first (you were) afraid, (you were) petrified....
Cara HeidiÉ por aí, como na velha máxima: "...the ...
Nada é certo dentro da nossa vida. Por mais bases ...
Se não passa de dois bitaites e mais nada, não vej...
Caro Mr AngerComo diriam as mentes simples: "Alive...
Cara Mallory,Sem querer ferir susceptibilidades, m...
Cara Mallory,Como diria o E.Jonh: "I'm still Stand...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

Top de Blogues

subscrever feeds