Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

Steven Seagal de trazer por casa...

 

 

São 8:32 da manhã, Carlos espera pelo metro na estação dos Restauradores, vai a uma entrevista de emprego, não se encontra nervoso, isso foi há 20 entrevistas atrás. O fato estilo italiano produzido por hábeis mãos chinesas de 12 Primaveras está como novo, marca presença, assenta-lhe bem, e nota-se à légua o brilho de fábrica, bons acabamentos para o preço (“negócio da china” costuma dizer Carlos para fazer conversa, e os amigos riem-se - e Carlos sente-se feliz por ter piada).

 

Carlos não gosta de usar fato, prefere um estilo mais "moderno" (como ele gosta de chamar), de facto, fora as entrevistas de emprego (que o mereçam) e os casamentos, raramente o usa, "isso é para os doutores" diz ele, como querendo desculpar-se por nunca ter passado do primeiro ano da Faculdade de Economia.

 

“Gravata? Odeio isso, aperta-me o pescoço, sufoca-me!!", embora tenha sempre duas ou três enroladas na gaveta com mais naftalina lá de casa. Os sapatos também são jeitosos, rácio custo-beneficio menos interessante (a qualidade paga-se), são de uma fábrica do norte, também feitos por hábeis mãos juvenis, Portuguesas desta vez (ver na wikipédia "globalização").

 

O silvar do metal em fricção que ecoa no túnel anuncia o metro a chegar, alvoroço entre os demais. Carlos tenta ficar para o fim, ainda tem tempo, entra apenas se tiver espaço, não quer amarrotar-se no meio de tanta gente. A corrida está prestes a começar, as pessoas organizam-se como maratonistas a espera do sinal de partida (leia-se "abertura de portas" PIIII!"), empurram-se nas primeiras carruagens, mas mais atrás, 3 ou 4 passadas largas e Carlos consegue entrar confortavelmente, fica de pé junto ao varão.

 

As pessoas encaixam-se umas nas outras, é hora de ponta, passam 3 estações, o fluxo de gente que entra e sai permanece constante. Sentados ou de pé, vão lendo os diários grátis, ou ouvindo música, absortos no seu compasso, quase todos aparentam estar longe dali, noutro sítio qualquer, provavelmente num onde se culpabilizam de coisas que não dependem deles (talvez). O tempo faz-se de minutos curtos, pré-programados e bem definidos.

 

Durante a viagem, alguém lhe calca o sapato, duas vezes, a primeira de forma ligeira – uma espécie de roçar incomodativo – a segunda da forma mais asquerosa de todas, na pontinha do sapato, e amolga-lhe a forma, de seguida, o silêncio.

 

Carlos afasta o pé num reflexo, olha em frente e permanece pacato, silencioso, identifica o agressor: "é apenas mais um burjeço" – pensa – Carlos, magoado no seu ego másculo, tenta-lhe caracterizar um perfil, baseado em estereótipos sociais preconceituosos e pejorativos:

 

- "Pelo aspecto tosco, bruto, barba por fazer e roupas gastas esta besta só pode ser um iletrado de parco quociente de inteligência, trabalhador não qualificado, quem sabe construção civil ou talvez algo a roçar a vaganbundice. Cheira mal, não apenas a suor, cheira a muitos dias sem tomar banho, cheira a imundice... é um porco nojento que não sabe onde meter os pés"

 

E prossegue...

 

- "Devia matar-te como o porco imundo que és, espetar-te uma faca romba no bucho, roda-la, e ver-te a esvair em sangue! És um idiota, devias ter nascido sem pés, apenas com os cotos, queria ver depois quem tu pisavas meu anormal!"

 

E continua...

 

"Nem um pedido de desculpas, uma manifestação de incómodo por seres tamanha besta. Por um lado agradeço, se o simples facto de expirares na minha direcção é por si só uma amostra demasiado cruel do cheiro a esgoto que transportas dentro de ti, nem imagino o que dai saía se juntasses também a projecção de palavras. Pior, se tivesse de ter um dialogo contigo… és merda !!"

 

Respira e...

 

"Adorava empurrar-te para o carril e ver o metro trucidar-te, sentir o cheiro a porco queimado e ouvir o som dos teus ossos a despedaçarem-se contra o aço!"...

 

 

 

... uma voz pré-gravada e monocórdica interrompe-lhe os pensamentos e anuncia-lhe a sua estação. Fim da viagem. Fura o seu caminho até à porta, e pelo meio pede "com licença" ao burjeço para conseguir sair... "afinal chamo-me Carlos e o Steven Seagal ficou por casa, na estante das cassetes VHS..."

 


Mr Anger às 01:05
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
6 comentários:
De Lótus a 1 de Abril de 2009 às 17:33
Estamos programados .. apenas isso


De Gisela Baptista aka Tasmaniapt a 2 de Abril de 2009 às 09:49
Pena porque se o Segal apanhasse o metro nos restauradores até eu andava de Metro!!
A educação de cada um mede-se nas pequenas coisas e eu por mim falo mesmo que não peçam desculpa sou mais um Carlos porque no fim peço desculpa e licença mesmo que olhem para mim como se fosse um extraterrestre !!Sou quem sou e não é a má educação de outros que me transforma!!


De Rita a 6 de Abril de 2009 às 09:33
mais um trecho fantastico... parabens!


De Isis Erzsébeth Báthory a 9 de Abril de 2009 às 12:36
Loool,
O fim foi meio confuso para a minha mente super lenta, mas o texto em si, lindo :)
Parabens.


De Witchie a 13 de Maio de 2009 às 20:32
Eu achava que era a única a ter pensamentos desses... Afinal...

Gostei imenso do post. A entrevista correu bem, ao menos?


De iceman303 a 1 de Junho de 2009 às 21:31
como eu sou Jesus, nunca penso isso,

apenas sinto a Dor. Ela apanha-me.

Mas eu sorrio, e sei que amanha sera' um

dia melhor.

Afinal ninguem tem culpa da ignorancia.

Paradoxo.


Comentar post

mranger.blog@gmail.com

Pesquisar (Blog)

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Post's Recentes

O amor (é) de alguém

Cuida de ti, pequeno Godz...

O contracto (em actualiza...

O mar enrolado em ti

Cuida de ti, pequeno Godz...

Ticket to ride

Folhas arrancadas de um l...

O amor habitual

Regras base - Sobre(a)viv...

No estrangeiro também se ...

Raio-X

Regras base - Sobre(a)viv...

Factual mundano - Autocar...

Sai cognac para a mesa qu...

Mau karma (ou azar ao jog...

Jogos de vida

Modem em sincronismo

Verdades (in)discutíveis

Natureza morta com pormen...

As estatísticas dizem-me ...

Obliterar (é preciso)

De barba feita:

O perdedor (fecha a porta...

Non, rien de rien (non, j...

Tomei peyote na idade méd...

Lx Strip

Vitória (?)

Recortes flamejantes no h...

Gentes da minha terra

Curtes alpista ?

Roedores & Armadilhas

Branco ou tinto? (cheio)

A Bolha

A cultura é gourmet

Pés na estrada

A selva humana

The head bone's connected...

Mare nostrum

A vida é bela

Lucky strike

Lapsos temporais

Memória de Ferro (O.s.p.e...

Objectivamente delirante

Girino

Burros (de carga) pensant...

As flores no teu cabelo -...

Nenhum pássaro me sussurr...

A moda dos cintos apertad...

Os contribuintes (ou os b...

Comprar tabaco (eu fui)

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Agosto 2016

Dezembro 2015

Abril 2015

Outubro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Abril 2013

Março 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Janeiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Janeiro 2007

Novembro 2006

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Agosto 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

tags

todas as tags

Links

últ. comentários

A verdadeira lição que temos de retirar destes mom...
Revejo-me no que aqui escreve (e, em geral, pelo s...
Olá cara Heidi,Com o frio vigente é mais caso para...
"At first (you were) afraid, (you were) petrified....
Cara HeidiÉ por aí, como na velha máxima: "...the ...
Nada é certo dentro da nossa vida. Por mais bases ...
Se não passa de dois bitaites e mais nada, não vej...
Caro Mr AngerComo diriam as mentes simples: "Alive...
Cara Mallory,Sem querer ferir susceptibilidades, m...
Cara Mallory,Como diria o E.Jonh: "I'm still Stand...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais comentados

Top de Blogues

subscrever feeds